הבלוג של אתר הלאום

O BLOG DO SITE HALEOM


ועדת החוקה חוק ומשפט של הכנסת התכנסה לדיון על חוק הגיור. המטרה היא דצנטרליזציה של מערך הגיור בישראל על מנת לאפשר לרבני הערים להרכיב ולנהל בתי דין רבניים לגיור מקומיים במטרה להקל על גיורם של עולים שאינם מוכרים כיהודים

מאת אשר בן-שלמה

ביום א' 16.2.14 ועדת החוקהחוק ומשפט של הכנסתקיימה התכנסה לדיון בנושא הצעת חוק פקודת חוק העדה הדתית היהודיתהמוכרת בשם חוק הגיורהשנויה למחלוקתבמטרה לשנות את כללי מערך הגיור בישראלבמטרה להקל על גיורם של מאות אלפי עולים מחבל העמים שאינם מוכרים כיהודים על ידי המדינה.במקרים רבים מדובר על אזרחים ישראלים יוצא ברית המועצות לשעברבה היה החוק קובע את יהדותם לפי האבלאחר במדינת ישראל הגדרת מי הוא יהודי קבוע בחוק השבות 1950 הקובעת את יהדותו של האזרח רק לפי האםמדובר על אזרחים ישראלים רבים שגדלו בתודעה שהם יהודים ושייכים לעם היהודי וכאשר הגיעו לארץ לא הוכרו כיהודים ואינם יכולים להתחתן ברבנות הראשיתכך נוצר מצב בלתי נסבל על פיו חלק ניכר מהחברה הישראלית אינה יכולה לממש את הזכות היסודית לנישואים על פי חוק.ועדת החוקה חוק ומשפט בדיון שבו השתתפתי השבוע ניהלה דיון עם נציגים של כל האירגונים המייצגים את הדת היהודית כולל רפורמים וקונסרבטיבים אשר היו נוכחים בכדי לשמור על שיוויון זכויות לכל זרמי היהדות בנוסח של החוקיו''ר ועדת החוקה חוק ומשפט ח''כ דוד רותם הסתכסך עם יהודת התפוצות כאשר לפני כשבועים טען בפומבי כי היהודית הרפורמים אינם יהודים אלא דת אחרת אך חזר בו לפני כשבוע והתנצל על דבריועקב הלחצים הכבדים שסבל מהמנהיגים של התנועה הרפורמית בעולם ובעיקר בארצות הבריתהחוק לתיקון העדה הדתית היהודית המוכרת כחוק הגיור שנויה במחלוקת היות והיא מעניקה סמכויות לרבני הערים כאשר כולם אורתודוקסים או חרדים דבר שדוחק לשוליים של החברה הישראלית הרבנים הרפורמים והקונסרבטיבים. ביום 16/02/2014 השתתפתי ביחד סיסה הנריקה שלומוביץ' ואלי סיבוני כנציגיה של ההסתדרות הישראלית לקהילות האנוסים, בישיבה של וועדת החוקה, חוק ומשפט, על הצעת חוק העדה הדתית היהודית, אשר דנה בדצנטרליזציה של מערך הגיור בישראל
בתור נציג של ההסתדרות הישראלית לקהילות האנוסים, ועל סמך השכלתי האקדמית במשפט חוקתי, במשפט בינלאומי ובסוציולוגיה משפטית, העלתי את הצעתי לצנטרליזציות של כל הגיורים במדינת ישראל, מלבד הגיורים של בן/בת זוג ליהודי(ה) או של צאצאי יהודים, מתוך הכרה במדינת ישראל כמרכז לאומי של העם היהודי ומתוך הבנה כי העדה הדתית היהודית מבטאת את הלאום היהודי עצמו, כאשר, בהתאם לתורת המשפט הבינלאומי, לכל מדינה להוות את דמותו המדינית של הלאום אותו היא אמורה לייצג במישור הבינלאמי
סיסה הנריקה שלומוביץ
אלי סיבוני

EVENTO COMEMORATIVO DOS 66 ANOS DE RECONHECIMENTO DO DIREITO NACIONAL DO POVO JUDEU PELA ONU REALIZADO NO CENTRO BEGIN DE JERUSALÉM

No dia 26/11/2013, foi realizado no Centro Menahem Begin de Jerusalém, o Evento Comemorativo dos 66 anos do reconhecimento do direito de autodeterminação nacional do Povo de Israel na Terra de Israel pelo Conselho Geral da ONU, presidido pelo Embaixador do Brasil Oswaldo Aranha. Assista o evento, clicando no seguinte link : http://www.inn.co.il/News/News.aspx/266125
O Público presente no Evento Comemorativo realizado no Centro Menahem Begin de Jerusalém
Esteve presente no evento o Membro do Conselho Geral Sionista da Organização Sionista Mundial e Presidente da Organização Israelense de Comunidades Anoussitas Asher Ben-Shlomo
Também esteve presente no evento a Diretora da Organização Israelense de Comunidades Anoussitas Cissa Henrique Szlomovicz
Discurso do Deputado e Vice-Ministro do Exterior de Israel Zeev Elkin, ressaltando o progresso de Israel em todas os setores
Discurso do Diretor do Departamento de Combate ao Anti-Semitismo da Organização Sionista Mundial Yaackov Hagoel, enfatizando o aumento do Anti-Semitismo no mundo, camuflado de Anti-Sionismo
Discurso do Embaixador das Filipinas em Israel Generoso Calonge, que agradeceu a ajuda humanitária prestada por Israel ao povo filipino e os fortes vínculos de amizade existentes entre as duas nações
Foi apresentado, no evento, o martelo utilizado pelo Embaixador Brasileiro Oswaldo Aranha ao declarar aprovada, por maioria de votos do Conselho Geral da ONU, em 1947, na sessão que presidiu, a concessão do direito de autodeterminação nacional do Povo de Israel na Terra de Israel. O martelo encontra-se exposto no Museu do Kibutz Broch Chail
Show do Conjunto Musical de Maale Adumim
O Membro do Conselho Geral Sionista da Organização Sionista Mundial e Presidente da Organização Israelense de Comunidades Anoussitas Asher Ben-Shlomo com o Embaixador da África do Sul em Israel Sisa Ngombane
A Diretora da Organização Israelense de Comunidades Anoussitas Cissa Henrique Szlomovicz com o Embaixador da África do Sul em Israel Sisa Ngombane, mostrando o Diploma de Honra ao Mérito conferido pelo Conselho Sionista de Israel a Embaixadores de estados que apoiaram o restabelecimento do Estado Judeu

A ORGANIZAÇÃO SIONISTA MUNDIAL CONSOLIDA-SE COMO CONSELHO NACIONAL DO POVO JUDEU AO INTERVIR EM ASSUNTOS INTERNOS DO ESTADO DE ISRAEL

Foi realizado, entre os dias 4 e 6/11/2013, a Conferência do Conselho Geral Sionista da Organização Sionista Mundial (WZO), no Hotel Ramada de Jerusalém. Estiveram presentes no evento importantes celebridades, a exemplo do Vice-Primeiro Ministro de Israel Ofir Akunis. Entre os temas tratados na Conferência, destacam-se os seguintes : Controle dos Programas da Agência Judaica no Estado Judeu, voltados para jovens judeus do exterior e de Israel; Consolidação da igualdade entre todas as linhas do Judaismo; Apoio à adoção do Matrimônio e Divórcio Civil em Israel (até o presente momento, o Matrimônio e o Divórcio realizados em Israel são apenas os realizados pelas instituições religiosas); Desenvolvimento da Jovem Liderança Sionista; Promoção da Aliá dos Jovens Judeus; Fortalecimento da Língua Hebraica na Nova Geração Judaica e Incentivo do envolvimento da Juventude Judaica nas Atividades Sionistas e Fortalecimento da Identidade Sionista da Juventude Judaica. Um momento marcante da Conferência : O Plenário do Conselho Geral Sionista da Organização Sionista Mundial (WZO) aprovou, por unanimidade de votots, a decisão de intervir junto ao Governo de Israel em prol do direito das mulheres reformistas de rezarem no Kotel, com Kipot, Talitot e Tefilin, a qual implica em dividir o Kotel entre Ortodoxos e Reformistas.
O Membro do Conselho Geral Sionista e Presidente da Organização Israelense de Comunidades Anoussitas Asher Ben-Shlomo e Eli Siboni
A Diretora da Organização Israelense de Comunidades Anoussitas Cissa Henrique Szlomovicz
O Plenário do Conselho Geral Sionista da Organização Sionista Mundial durante o discurso do Vice-Primeiro Ministro de Israel Ofir Akunis
Discurso do Deputado e Vice-Primeiro Ministro de Israel Ofir Akunis a respeito da importância do Sionismo para as futuras gerações do Povo Judeu
Após o discurso, o Membro do Conselho Geral Sionista da Organização Sionista Mundial Asher Ben-Shlomo encontrou-se com o Deputado e Vice-Primeiro-Ministro de Israel Ofir Akunis; e com o Ex-Deputado e Ex-Ministro da Educação de Israel agraciado com o prestigioso Prêmio Israel Aharon Yadlin. Asher Ben-Shlomo entregou a Ofir Akunis a sua proposta de lei constitucional, que visa a extensão da cidadania israelita, por direito de nascimento, a todos os judeus do mundo, de forma independente da aliá para Israel, de forma a consolidar juridicamente o Povo Judeu como Povo Nacional do Estado de Israel.
O Plenário do Conselho Geral Sionista da Organização Sionista Mundial durante as votações
O Membro do Conselho Geral Sionista Asher Ben-Shlomo votando em favor do controle das verbas da Agencia Judaica pela Organização Sionista Mundial
Cissa Henrique Szlomovicz na Conferência da Agência Judaica realizada no dia 10/11/2013, no Hotel The David Citadel de Jerusalém, a qual deu continuidade à Conferência do Conselho Geral Sionista da Organização Sionista Mundial
O Público presente na Conferência da Agência Judaica durante a Palestra do Prefeito de Jerusalém Nir Barkat
Palestra do Prefeito de Jerusalém Nir Barkat
O Prefeito de Jerusalém Nir Barkat expôs as grandes conquistas sócio-culturais do sionismo em Jerusalém
A Diretora da Organização Israelense de Comunidades Anoussitas Cissa Henrique Szlomovicz com o Prefeito de Jerusalém Nir Barkat
A Diretora da Organização Israelense de Comunidades Anoussitas Cissa Henrique Szlomovicz com o Presidente da Agência Judaica Natan Sharansky

AS CONQUISTAS DA ORGANIZAÇÃO ISRAELENSE DE COMUNIDADES ANOUSSITAS

ORGANIZAÇÃO ISRAELENSE DE COMUNIDADES ANOUSSITAS
A
2013
REPRESENTANTES DA ORGANIZAÇÃO ISRAELENSE DE COMUNIDADES ANOUSSITAS PARTICIPARAM, NO DIA 21/10/2013, DA REUNIÃO SOBRE A ASSIMILAÇÃO DOS JUDEUS NOS ESTADOS UNIDOS, QUE INCLUEM OS ESTADOS NORTE-AMERICANOS DO NOVO MÉXICO, DO TEXAS E DA CALIFÓRNIA, NOS QUAIS A INQUISIÇÃO ATUOU QUANDO AINDA PERTENCIAM À NOVA ESPANHA (ATUAL MÉXICO), OU SEJA, ANTES DE SEREM ANEXADOS PELO ESTADO AMERICANO. A REUNIÃO, PROMOVIDA PELA COMISSÃO DE ALIÁ, KLITÁ E DIÁSPORA DA KNESSET, O PARLAMENTO DE ISRAEL, FOI REALIZADA COM A PARTICIPAÇÃO DE REPRESENTANTES DO MINISTÉRIO DO PRIMEIRO MINISTRO, DO MINISTÉRIO DO EXTERIOR, DO MINISTÉRIO DA ALIÁ, KLITÁ E DIÁSPORA; DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO; DA ORGANIZAÇÃO SIONISTA MUNDIAL; DA AGÊNCIA JUDAICA; DO RABINATO GERAL DE ISRAEL; E DE REPRESENTANTES DAS ENTIDADES JUDAICAS NORTE-AMERICANAS E ISRAELENSES, DE CUNHO NACIONAL-RELIGIOSO, INCLUINDO A ORGANIZAÇÃO ISRAELENSE DE COMUNIDADES ANOUSSITAS, O QUAL FOI REPRESENTADO PELO SEU PRESIDENTE ASHER BEN-SHLOMO E PELA SUA DIRETORA CISSA HENRIQUE SZLOMOVICZ, JUNTAMENTE COM ELI SIBONI E RAQUEL AMAR.
2012
A ORGANIZAÇÃO ISRAELENSE DE COMUNIDADES ANOUSSITAS REALIZOU NO CENTRO MENAHEM BEGIN DE JERUSALÉM A CONFERÊNCIA MUNDIAL PELOS DIREITOS HUMANOS DOS ANOUSSITAS DE RETORNAREM AO JUDAISMO DOS SEUS ANTEPASSADOS E DE SEREM INTEGRADOS AO SEIO DO POVO JUDEU. DISCURSARAM NO EVENTO O PRESIDENTE DA ENTIDADE ASHER BEN-SHLOMO E DOS EX-DEPUTADOS RABINO HAIM AMSALEM E ARIÊ ELDAD.
2011
A ORGANIZAÇÃO ISRAELENSE DE COMUNIDADES ANOUSSITAS DEU ENTRADA EM UMA AÇÃO JUDICIAL JUNTO À SUPREMA CORTE DE JUSTIÇA DE ISRAEL, O BAGATZ, A FIM DE REIVINDICAR, EM JUÍZO, INTERESSES ANOUSSITAS.
2007
A ORGANIZAÇÃO ISRAELENSE DE COMUNIDADES ANOUSSITAS FOI REPRESENTADA PELO SEU PRESIDENTE ASHER BEN-SHLOMO NA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, LEI E DIREITO DA KNESSET, O PARLAMENTO DE ISRAEL, A FIM DE REIVINDICAR O DIREITO CONSTITUCIONAL DE RETORNO DOS ANOUSSITAS À PÁTRIA JUDAICA.
2003
A ORGANIZAÇÃO ISRAELENSE DE COMUNIDADES ANOUSSITAS, EM PARCERIA COM A ESCOLA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DO CENTRO ACADÊMICO SAPIR, PRODUZIU O PROGRAMA DE TELEVISÃO ÊXODUS, DIRIGIDO E APRESENTADO PELO SEU PRESIDENTE, O JORNALISTA, ROTEIRISTA E DIRETOR DE CINEMA ASHER BEN-SHLOMO. O PROGRAMA, QUE ABORDOU A QUESTÃO ANOUSSITA, FOI LEVADO AO AR PELO CANAL COMUNITÁRIO DE ISRAEL.



SERVIÇOS JURÍDICOS PARA O RECONHECIMENTO, EM ISRAEL, DO JUDAISMO OU DO ISRAELISMO DOS ANOUSSITAS


A Organização Israelense de Comunidades Anoussitas, em conjunto com advogados israelenses especializados, passa a partir de 21/8/2013 a oferecer aos anoussitas de todos os países da América Latina e da Península Ibérica, incluindo anoussitas que encontram-se em Israel como estrangeiros, Serviços Jurídicos para o Reconhecimento do respectivo Judaismo ou Israelismo, para fins de integração efetiva na Comunidade Judaica, e para fins de aliá, através do PROJETO DE DIREITOS HUMANOS BARROS BASTO, em homenagem a esta importante personalidade da história dos descendentes dos judeus oprimidos pela inquisição. Os interessados em obterem maiores informações a respeito deste projeto de direitos humanos devem entrar em contato através do E-mail : bnei_hamedina@walla.com

Referências da Wikipédia a respeito do Capitão Barros Basto :

Artur Carlos de Barros Basto (nome HebreuAbraham Israel Ben-Rosh) nascido a 18 de Dezembro de 1887 em Amarante e falecido no Porto, a 8 de Março de 1961. Foi um militar de carreira, mas também um escritor que publicou várias obras relacionadas com o Judaísmo. Foi um importante líder judaico e impulsionador da criação da comunidade Judaica do Porto, cujo o nome oficial é Comunidade Israelita do Porto e da edificação da Sinagoga Kadoorie. Ajudou ao retorno dos criptojudeus ao Judaísmo e os refugiados judeus na Segunda Guerra Mundial. Quando ainda jovem, Barros Basto soube por via de seu avô, quando este se encontrava no leito de morte, que tinha antepassados Judeus. A sua família já não mantinha os preceitos judaicos e este apenas teve conhecimento da existência de Judeus em Portugal em 1904 quando leu um artigo de jornal, referente à inauguração da sinagoga Shaaré Tikva, em Lisboa. Anos mais tarde, iniciou a sua vida militar e, quando o exército o mandou frequentar um curso na Escola Politécnica de Lisboa, o jovem Barros Basto dirigiu-se à sinagoga da cidade, numa tentativa de ser ai admitido. Os dirigentes da sinagoga não permitiram mas Barros Basto não desistiu. Quando foi implantada a Republica, em 1910 Barros Bastos foi aquele que hasteou a bandeira republicana na cidade do Porto. Na Primeira Guerra Mundial, já tenente do exército comandou um batalhão do Corpo Expedicionário Português na frente da Flandres. Pelos seus actos de bravura e honra no campo de batalha foi condecorado e promovido a capitão. Barros Basto era um autodidacta e, após aprender hebraico foi viver uns tempos em Marrocos onde iniciou formalmente um processo de conversão ao Judaísmo. Viu o seu processo concluído quando, em Tânger foi circuncidado e mais tarde submetido a um tribunal rabínico (Beit Din). Passou assim a chamar-se Abraham Israel Ben-Rosh. Regressado a Lisboa, casou-se com Lea Israel Montero Azancot, da Comunidade Israelita de Lisboa, de quem teve um filho e uma filha. Teve também vários netos e bisnetos, a sua neta Isabel Ferreira Lopes, é actual vice-presidente da Comunidade Israelita do Porto. É também tio-bisavô da actriz Daniela Ruah.
Barros Basto e Lea Azancot
Em 1921, voltou para o Porto com a sua esposa . Nessa altura Barros Basto apercebeu-se que na cidade haviam apenas menos de vinte judeus asquenazim que, como não possuíam uma sinagoga não estavam organizados e tinham de se deslocar a Lisboa sempre que, por motivos religiosos, era necessário. Quando tomou conhecimento dessa realidade começou a pensar que a construção de uma sinagoga era necessária e, tomou iniciativa de, em 1923, registar oficialmente no Governo Civil do Porto a Comunidade Israelita do Porto e o Centro Teológico Israelita. O actual edifício da sinagoga só começaria a ser construído anos mais tarde mas a comunidade organizou-se e arrendou uma casa na rua Elias Garcia que passou a funcionar como uma sinagoga. À medida que o tempo ia passando, iam aparecendo cada vez mais pessoas na sinagoga, estes diziam-se descendentes dos judeus forçados a converter-se no século XV, afirmavam praticar ainda, no segredo dos seus lares, algumas práticas e rituais judaicos. Estas pessoas, os criptojudeus, começaram a participar nos serviços religiosos. A veracidade desses criptojudeus, foi comprovada por Barros Basto e do comité de Londres que constataram que estes não mentiam sobre as suas origens pois provaram ainda manter as preces a Hashem bem como respeitarem o dia de Shabat tal como seus antepassados. É de referir também que na Acta n.º 68 da Direcção (Maâmad) da Comunidade Israelita do Porto ficou estabelecido que seria aceite na congregação qualquer pessoa que “provasse absolutamente a sua origem judaica”. Esta situação despertou interesse em Barros Basto que, por isso, decidiu visitar frequentemente aldeias e vilas de Trás os Montes e das Beiras à procura de mais pessoas interessadas em voltar ao judaísmo.2 Esta medida captou a atenção de algumas pessoas, principalmente de algumas comunidades judaicas, como o caso da Comunidade de Judeus Portugueses em Londres, que criou o "Portuguese Marranos Committee", uma organização com o intuito de ajudar as pessoas que queriam a voltar ao judaísmo.